Dietas da Moda versus Reeducação Alimentar

-

Olá mamis, uma ótima semana para todas!!

No artigo de hoje, vou falar sobre as dietas da moda e seus perigos… afinal, quem nunca ouviu falar, sentiu vontade de fazer ou já fez alguma das famosas dietas que prometem resultados milagrosos, como a dieta da sopa, dieta do tipo sanguíneo, do Dr. Atkins, de South Beach, da USP, etc.??

O número de pessoas que buscam uma dieta que prometa a grande eliminação de peso em pouquíssimo tempo é enorme. O problema é que apesar dessas dietas proporcionarem um emagrecimento a curto prazo por restrição de calorias, ninguém consegue  seguir por muito tempo (ou você se imagina viver à base de sopa sem enjoar, ou cortando o carboidrato por quanto tempo?). Outro motivo é que não existe uma REEDUCAÇÃO ALIMENTAR, e sem a mudança de comportamento que a reeducação proporciona a pessoa irá recuperar o peso, podendo ganhar ainda mais.

As dietas da moda são normalmente cheia de restrições e muito pobres em calorias. A eliminação de peso rápida não representa necessariamente uma redução de gordura corporal, pois com as alterações na alimentação a perda de água e massa muscular é uma consequência. Sem falar que seguir uma dieta restrita em calorias influência o metabolismo de forma negativa, fazendo com que o corpo, ao sentir a necessidade de economizar energia, diminua o gasto, e dessa forma a pessoa pode ganhar ainda mais peso quando a dieta terminar.

Outro fator importante das dietas “milagrosas” são os prejuízos que podem causar à saúde. Durante a dieta, podem aparecer sintomas como fraqueza, tonturas, dores de cabeça, cansaço, mau humor, dificuldade de concentração até prejuízos na função cognitiva e desmaios, causados pela hipoglicemia (redução dos níveis de açúcar no sangue). Além disso, podem causar grandes carências nutricionais, pois com esse tipo de dieta o organismo passa a receber quantidades inadequadas de vitaminas, minerais e muitas vezes de carboidratos, proteínas e gorduras de boa qualidade, todos fundamentais para o adequado funcionamento do organismo.

A ausência de leite e derivados por um longo tempo, por exemplo, podem contribuir com o aumento das chances de desenvolvimento da osteoporose. Já a restrição de leguminosas e carnes podem comprometer o fornecimento de proteínas ao corpo e a adequada ingestão de ferro, nutriente essencial para o transporte de oxigênio. Outro exemplo é o impacto da restrição de óleos e gorduras, esses alimentos são ricos em gorduras benéficas ao corpo que participam da formação dos neurônios e ainda ajudam na prevenção de doenças cardiovasculares. A retirada radical de todas as gorduras pode interferir na formação de hormônios e no transporte das vitaminas lipossolúveis, como a vitamina K, importante para a coagulação do sangue.

O excesso também pode acarretar problemas a saúde, como ocorre nas dietas que cortam carboidratos, priorizando o consumo de alimentos fontes de proteínas. A longo prazo, além de não fornecer vitaminas e minerais nas quantidades adequadas, gera muitos resíduos metabólicos, que podem sobrecarregar os rins, há também grande perda de água e músculos, o que pode dar falsa ilusão de emagrecimento.

O ideal é sempre fazer uma reeducação alimentar, controlar a alimentação, respeitando e se adaptando a rotina de cada um. Sem mudanças radicais e proibições, o que garante um emagrecimento saudável e duradouro. Afinal se reeducar de verdade é conseguir ver seus erros e seus acertos, mantendo esse aprendizado por toda a vida.

É muito importante a conscientização de que emagrecer acontece com mudanças de hábitos alimentares e de comportamento. E se puder contar com o apoio de um profissional especializado, o emagrecimento e a manutenção do peso serão ainda mais fáceis de cumprir e, o mais importante, sem comprometer a saúde!

Michelle Fischer | Nutricionista

E-mail: michellefnutri@hotmail.com

Compartilhe esse texto