Série sobre Drogas – Anfetaminas

-

Oi para todos que acompanham o Mamis na Madrugada! Nessa semana darei uma palavrinha sobre as Anfetaminas.
As anfetaminas são estimuladores do sistema nervoso central: são substâncias sintéticas. Além da própria anfetamina, existem outros derivados como metilfenidato, metanfetaminas entre outros.
Podem criar dependência pelo seu efeito euforia, de diminuição de fadiga e de aumento do estado de alerta. Foram muito utilizadas durante a Segunda Guerra Mundial para aumentar produtividade e eficiência dos combatentes. Na década de 70 as anfetaminas nos Estados Unidos foram restritas ao tratamento de três doenças: narcolepsia (distúrbio do sono), transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e para redução de peso em alguns pacientes. Com o objetivo de perda de peso e adequação ao padrão magro imposto pela sociedade, vemos um grande consumo de uma variação da droga entre as moças e mulheres.

As anfetaminas podem ser administradas através de vias:

– Oral: comprimidos de medicamentos, speed (pouca pureza) e ecstasy;

– Intravenosa: ice ou cristal (forma com muita pureza)

– Nasal: ice ou cristal;

– Fumada: ice ou cristal.

Efeito das anfetaminas em baixas doses: aumento dos batimentos cardíacos, aumento da pressão, diminuição do apetite, dificuldade para dormir, suores, boca seca.

Efeitos psicológicos: diminui fadiga, aumenta a confiança, estado de alerta, irritabilidade, alucinação e comportamento psicótico. Os efeitos das anfetaminas dependem da dose, da via de administração se a pessoa já usou droga antes; em cada indivíduo, a dose letal varia muito.

As metanfetaminas são formas de anfetaminas mais potentes. O “ice” é uma metanfetamina altamente pura. As “designer drugs” são derivados sintéticos, criados em laboratórios clandestinos através de alteração na estrutura das anfetaminas.

A mais popular é MDMA (metilenodioximetanfetamina), conhecida como ecstasy ou bala; é anfetamina “psicodélica” que ganhou popularidade nos últimos 20 anos devido à sua capacidade de produzir fortes sensações de ligação com outras pessoas, em festas, por exemplo. Uma sensação de que tudo está certo e bem com o mundo. As pessoas sob o efeito descrevem muitas vezes uma sensação de felicidade.

O MDMA pode aumentar significativamente ou alterar os sentidos – tato, visão, paladar, olfato. Outros efeitos são: aumento da energia, aumento da percepção e apreciação de música. Dos efeitos negativos, usuários relatam a boca seca, pressão nos maxilares e ranger dos dentes, tremor ocular, suor e náuseas. Há tendência de beber muita água após o consumo, o que pode ser perigoso. A bala pode algumas vezes causar ansiedade e ataques de pânico. Podem estar exaustos no dia seguinte ao uso; também vivenciam algum nível de depressão.

 

 

Bianca Rodrigues de Godoy Lundberg | Médica de Adolescentes. Faz acompanhamento de rotina dos jovens de 10 a 20 anos de idade em consultório na Vila Clementino, zona Sul de São Paulo, há cinco anos.

Mais informações em www.biancalundberg.com

Compartilhe esse texto