Série sobre Drogas – Drogas Depressoras do Sistema Nervoso Central

-

Em pequenas doses, essas substâncias agem em regiões cerebrais responsáveis por ações conscientes e voluntárias, enquanto que doses maiores afetam as funções automáticas do organismo, como a respiração. Em geral, são usadas para tratamento de distúrbios do sono e ansiedade; também podem ser usados como anticonvulsivantes, relaxantes musculares e indução anestésica.

Alguns exemplos são os barbitúricos e os benzodiazepínicos (que se diferem na substância medicamentosa, duração de efeitos e dose); novos ansiolíticos e indutores do sono entraram no mercado mais recentemente, e é grande a variedade de opções. Uma substância que é usada como droga é o ácido gamahidroxibutírico, que assim como o flunitrazepan, ficou conhecida como “droga do estupro” ou “Boa noite, Cinderela”.

As vias de administração são oral ou injetável, com duração de horas a dias. Devem ser utilizados estritamente sob orientação médica; podem induzir à tolerância (necessidade de doses maiores para obter o mesmo efeito) e Síndrome de Abstinência.

A absorção pelo sistema gastrointestinal é mais rápida do que a intramuscular em gral; sua ação é potencializada com o uso concomitante de álcool. Seu metabolismo é realizado no fígado e a excreção, pela urina. Podem ser encontrados na placenta e no leite materno.

Alguns sinais de abuso de depressores do Sistema Nervoso Central são:

– desinibição do comportamento;

– confusão, desorientação, sonolência;

– concentração e coordenação prejudicadas;

– amnésia ou ‘’blackout” ( não se recordar de nada do que fez durante a ação da substância);

– diminuição da frequência cardíaca e respiratória.

Cronicamente pode levar a alteração de comportamento e humor, além de prejuízos na rotina escolar, profissional e social. Ainda expõe a comportamentos de risco, como susceptibilidade a abuso sexual ou relação sexual desprotegida e acidentes de trânsito.

Bianca Rodrigues de Godoy Lundberg | Médica de Adolescentes. Faz acompanhamento de rotina dos jovens de 10 a 20 anos de idade em consultório na Vila Clementino, zona Sul de São Paulo, há cinco anos.

Mais informações em www.biancalundberg.com

Compartilhe esse texto