Terrible 2 X Beautiful 2

-

Queridas parceiras! Já ouviram falar sobre o famoso “Terrible 2”? Aquela fase na qual os filhos se encontram, com excessivas birras, desejando fazer tudo sozinhos e do jeitinho deles, atirando tudo pelos ares, desafiando? Pois é… Não quero aqui falar e repetir sobre esses comportamentos mais do que conhecidos e queixados por nós mães.

A ideia é ter exatamente um outro olhar, literalmente oposto! É muito comum termos o hábito de reclamar, criticar, cobrar, queixar, porque logicamente essas manifestações comportamentais de nossos pequenos nos desgastam emocionalmente e fisicamente. E com toda razão, com certeza!

Entretanto quero trazer uma leveza e um colorido para essa fase dos 2 anos, tão maravilhosa e encantadora. Diante da correria do dia-a-dia, poucos pais possuem a possibilidade de desfrutar de momentos lúdicos e fora de rotina com os filhos. Tirando aquele esquema “acorda, coloca uniforme, toma café da manhã, escova dente, leva para escola, busca da escola, almoço/janta, banho, pijama, colocar pra dormir”, afffff até cansei…. Voltando da rotina louca de cumprir tarefas… É muito difícil os responsáveis terem a oportunidade de compartilharem momentos lúdicos, descompromissados, espontâneos e criativos com seus filhos.

São nesses momentos que vemos o quanto nossos pequeninos de 2 anos tornaram-se mais independentes, com mais autonomia, engraçados, criativos, espontâneos, aplicando-se desafios…

As conquistas do “Beautiful 2” envolvem maior apropriação da linguagem, maior autonomia, ampliação de repertório motor, expressam vontades e desejos. Me contem… o que isso tem de “Terrible”? Ao contrário, isso é saúde, é manifestação de comportamentos novos até encontrarem o que é possível e o que meramente desejado, é exploração do mundo, é atitude e não passividade! Faz parte do desenvolvimento humano e é esperado! Caso não se passe por isso, se tornará “Terrible 22, Terrible 35, Terrible 60 anos”. Em alguma fase da vida precisamos anunciar nossas vontades, explorar e conhecer as possibilidades!

Com essa mudança de olhar, recheado por um clima afetivo mais doce e tranquilo, é possível administramos as cenas de desgaste com maior clareza, autocontrole e objetividade! Não podemos nos juntar a eles e responder como se fossemos do mesmo “Terrible 2”. Que sejamos mais maduros!

É “Terrible 2” para nós adultos, mas para nossos pequenos é “Beautiful 2”! Que alcancemos a aproximação desse “Beautiful” e que seja possível evitarmos lutar contra essa fase, para que fique menos desgastante e com clima afetivo mais cuidadoso e saudável. Assim nossos pequenos receberão os limites e posicionamentos necessários para um desenvolvimento saudável e adequado!

 

Juliana Buchatsky Kruglensky | Psicóloga – CRP: 06/86329 | Especialista em atendimento Infantil, Jovens e Orientação à pais. Mãe do Michel 3 anos e Davi 7 meses. Sonhadora e enfrentando os desafios da Maternidade!

 

Compartilhe esse texto