Diástase, o que é e como prevenir?

-

Você provavelmente já ouviu falar sobre diástase, afinal várias famosas falaram sobre isso nas mídias nos últimos tempos, entre elas a cantora Sandy, a atriz Thais Fersoza, a cantora Thaeme dentre outras. Mas afinal por que a diástase é tão temida entre as gestantes e as mulheres que tiveram bebês?

Então vamos começar pelo início! Durante a gestação, o reto abdominal sofre um estiramento, isso para poder acomodar o útero que vai aumentando seu tamanho, saindo da cavidade pélvica para a cavidade abdominal, pressionando toda a parede abdominal. Além disso existe a ação dos hormônios, principalmente a progesterona e a relaxina, que tem ação sobre os tecidos conectivos, que seria o tecido que une os músculos reto abdominais. Geralmente esse estiramento ocorre no segundo trimestre , tendo uma incidência maior no último trimestre e no pós parto. A diástase é considerada fisiológica quando possui entre 2 e 3 cm de distância, o que favorece ao retorno da musculatura após a gravidez.

 

Quais seriam então as consequências da diástase? Mulheres com diastase podem sentir dor nas costas, incontinência urinária,dificuldade para evacuar além de esteticamente ficar com uma barriga saliente, prejudicando a auto estima da mulher.

Durante a gestação devemos ao máximo minimizar esse afastamento, podemos prevenir uma diástase mais grave adotando um programa adequado de exercícios, controlando o ganho de peso, mantendo uma boa postura e principalmente evitando exercícios de alto impacto e que aumentem muito a pressão intra abdominal. Atualmente com o culto ao corpo, muitas mulheres tem dificuldade de aceitar as mudanças que ocorrem em seu corpo na gestação e continuam a praticar na academia o mesmo treino de antes da gravidez com exercícios que nao sao adequados para essa fase como por exemplo abdominais, agachamentos com muito peso e postura inadequada, saltos etc .

Embora a gestação seja uma das principais causas da diástase, a condição também pode ser causada por exercício abdominal intenso, levantamento excessivo de peso e rápido ganho de peso, e sim homens também podem ter diástase

Após a gestação , você pode avaliar se você ficou com diástase da seguinte forma:

Deitada de costas com os joelhos flexionados e pés apoiados. Levantar a cabeça e ombros como se fosse fazer um abdominal. Colocar os dedos acima do umbigo e depois abaixo e observar se existem mais de dois dedos entre os dois feixes musculares.

Uma outra forma de verificar e deitado em uma superfície lisa e reta fazer um pequeno abdominal e depois levantando as pernas e observar se se há uma elevação no meio do abdome como se fosse um cone.

Se o teste for positivo você deve procurar um profissional capacitado para tratar a diástase. Não existe uma receita de bolo, cada cliente deve ser avaliado de forma individualizada , levando em conta suas queixas, dimensão da diástase, sintomas etc.

 

Existem muitos mitos quando falamos de diástase , vamos esclarecer alguns !

Sim, a diástase pode ser a responsável por aquela barriguinha que não vai embora porém, mulheres com baixo percentual de gordura, ou seja com um abdome plano também pode ter diástase.

Reabilitar a diástase não significa apenas fechá la , mas também recuperar a função da musculatura abdominal e do core como um todo incluindo nosso queridinho assoalho pélvico, que é a base do core!

Mulheres reagem diferentes aos exercícios , você pode ter uma diástase de apenas 2 cm e não ser capaz de manter uma contração da parede abdominal adequada durante uma prancha, enquanto uma que tenha uma diástase maior consiga , por isso o tratamento é individualizado.

A Presença do cone na linha alba durante o exercício significa que esse exercício não é ainda adequado para você. Você pode ter um espaço entre os retos abdominais e mesmo assim ter um core forte.

Procure um profissional especializado para prevenção e tratamento da diástase !

Suzanne Ginzberg| Fisiorterapeuta pelvia-obstetrica e doula, Especialista pela UNIFESP

Cel.: (11) 99967-6306

Compartilhe esse texto