Purim 2019

-

Ao entardecer do dia 20 de março, 14 do mês de Adar no calendário judaico, os judeus do mundo celebrarão Purim em suas sinagogas através da leitura do Livro de Esther (Meguilat Esther) que é um dos quatro compromissos (mitzvot-obrigações) que realizamos nesta festa com duração de apenas um dia, além da troca de Mishloach Manot (pacote com pelo menos dois tipos de alimentos), Matanot Laevyonim (fazer doações aos carentes) e o Mishtê (grande banquete alegre e festivo).

Purim não é uma festa bíblica, o seu relato é feito através de um livro a parte chamado Meguilat Esther (Rolo de Esther) com 10 capítulos que duraram dez anos. A história ocorreu quando os judeus viviam exilados na Pérsia. Naquela época o Império Persa era muito poderoso e grande com 127 países. A nossa personagem principal é a  Rainha Esther, uma mulher judia marcante que salvou o seu povo com muita inteligência e coragem. Outra qualidade que se destacava era a sua beleza natural única que atraiu o Rei. Em hebraico o seu nome quer dizer “oculto”. Aqui podemos destacar duas curiosidades desta característica. A primeira que ela escondeu sua identidade judaica de seu marido e a segunda é o único Livro que não está escrito o nome de D´us, no entanto sabemos que Ele está presente o tempo todo mediante as diversas ações dos personagens como Mordechai, parente de Esther e grande influenciador do povo judeu na época.

A palavra Purim tem a sua raiz “Pur” que significa sorteio. Outro personagem importante da história é o Haman, o homem de confiança do Rei, mas que era inescrupuloso e consumia uma raiva enorme dos judeus por não se curvarem diante dele principalmente de Mordechai. Assim, sorteou um dia para o extermínio dos judeus. O anúncio desta data fez com que Mordechai aconselhasse Esther a revelar sua orientação religiosa ao Rei, alertá-lo sobre a má índole de Haman e seus planos demassacre. Durante quase um ano, ela se preparou para a grande revelação de sua ascendência e denunciar o inimigo de seu povo. Esta data escolhida se tornou um dia de sorte onde Haman foi levado à forca e o decreto de aniquilação do povo judeu foi anulado. Assim comemoramos com grande alegria a data que os judeus foram salvos e livres para praticar suas leis e costumes como a alimentação restrita. Uma peculiaridade de Esther que demonstra os seus princípios valiosos é que todo o tempo que ela morou no palácio, ela cumpriu as leis da Kashrut e cumpriu Shabat.

Ao estudarmos a história de Purim, podemos tirar algumas lições de vida e trazermos algumas reflexões para o nosso cotidiano. Uma delas é que D´us nos coloca onde precisarmos estar a fim de cumprirmos a nossa missão neste mundo. Após o Rei expulsar a sua primeira esposa do palácio, Esther não queria ser uma das candidatas a posição de Rainha, no entanto Mordechai enxergou nela uma mulher forte capaz de salvar o seu povo de tantas injustiças. Já no poder, Esther poderia ter sido preservada do decreto de Haman, porém não ficou quieta. Ela entendeu que não deveria se omitir e a réplica a todo esse sentimento de fúria do inimigo era reforçar a união do povo judeu quando todos jejuaram e rezaram juntos antes da grande revelação.

Finalmente com esse sentimento de união que desejo um Chag Purim Sameach para todas as famílias com muita alegria!

Daniela Jarczun Fridman | Pedagoga, psicopedagoga, professora particular de disciplinas do Fundamental 1

E-mail: danijfridman@gmail.com

Compartilhe esse texto