7 dicas – cuidados com a voz

-

Na clínica fonoaudiológica e nas escolas ouvimos com certa frequência esta pergunta, e a resposta é: SIM, é preciso averiguar a causa desta rouquidão.

A prevalência de alteração vocal nas crianças em escolas varia de 6 a 23,4%, com pico entre os 5 e 10 anos de idade. Um percentual que não deve e não pode ser ignorado.

É muito comum as crianças apresentarem o hábito de gritar e/ou falar alto. Os ambientes em que elas estão inseridas costumam ser bem ruidosos (escolas, buffets infantis, parquinhos ) onde há uma competição sonora intensa, o que favorece o abuso vocal.

A frequência e intensidade que estes abusos são cometidos aliados a questões alérgicas/gripais e falta de orientação vocal potencializam o surgimento das alterações vocais. Em um primeiro momento quadros de rouquidão leve ou perdas de voz ocasionais podem não preocupar muito os pais e educadores ou gerar grande impacto no dia a dia da criança, porém a longo prazo uma rouquidão não investigada pode impactar negativamente a vida social e profissional do indivíduo.

A conscientização de pais e educadores sobre os aspectos vocais esperados para a infância faz com que eles possam se tornar importantes aliados na identificação precoce dos maus hábitos vocais nas crianças e na busca de soluções para os desvios de voz.

Algumas dicas e pequenas mudanças de hábitos podem ajudar bastante:

1. Consumir moderadamente derivados de leite (chocolates, queijos…)

2. Beber bastante água, de preferência não muito gelada;

3. Evitar gritar e falar alto;

4. Manter momentos de repouso vocal;

5. Tratar quadros alérgicos e gripais e evitar ao máximo os abusos vocais nestes períodos;

6. Orientar as crianças nas brincadeiras em relação a imitar “voz de monstro” “luta” etc..

7. Procurar sempre a orientação de um médico otorrinolaringologista e/ou fonoaudiólogo quando surgir alguma alteração na voz.

Ana Beatriz Senger R. Gelman | Fonoaudióloga da FOPI nas áreas de Voz e Linguagem Infantil.

Fonte: Análise da qualidade de vida relacionada a voz na população infantil UFMG 2017 Brasil, Problemas de Voz em Crianças D. Kenneth Wilson 3 edição.

Compartilhe esse texto