7 Dicas para viabilizar a comunicação mãe e filhos

-

Mamis queridas!  Sou Juliana, mamãe de dois garotos deliciosos e serelepes, Michel de 4 anos e Davi de 1 ano e meio. Além disso atuo como psicóloga em consultório particular, sou especialista em atendimento infantil e orientação à pais e faço consultoria a escolas sobre o desenvolvimento das crianças e jovens. 

De coração aberto compartilho com vocês que no meu papel materno já me deparei com inúmeras dificuldades e, inclusive, alterações de humor e desafio no autocontrole no momento de dar limite aos meus rapazes. Psicóloga para os outros, em casa estou de mamãe!  

A cada dia de escuta no consultório me deparo com distintas histórias, angustias, sofrimentos, sensações de desespero e a ânsia por um acolhimento e orientação. Quantas vezes eu também já desejei isso… 

Divido com vocês, com muito carinho, um dos temas frequentes trazidos pelas mamães preocupadas em como transmitir a mensagem do limite sem perder o autocontrole e se transformar naquele monstro que “cospe fogo” e a mensagem real não é captada pelos seus filhos. 

Preparem-se para as 7 dicas que viabilizarão essa comunicação mãe/filho: 

1. Desejo do controle: Já se percebeu com aquele desejo incrível de controlar e deixar tudo organizado conforme suas expectativas? Delícia né? Pois é: ABRA MÃO DO DESEJO DO CONTROLE, assim evitará frustração e a futura raiva decorrente da expectativa não alcançada, ou seja, humor menos aquecido; 

2. Importância da FLEXIBILIDADE: Ser flexível implica em ser criativo na resolução de conflitos e maduro para substituir aquilo que foi desejado, porém não alcançado. Isso contribuirá para evitar aquele fogo de sair pela boca; 

3. Escolha sempre a direção do que é POSSÍVEL: Incrivelmente possuímos uma capacidade de fantasiar que muitas vezes impede olharmos para o caminho das reais possibilidades. Ganhe pontos sabendo discernir o que é meramente desejado e o que realmente é possível;  

4. POSTURA EMPÁTICA: reconheça o desejo de seu filho, compreenda suas vontades, o acolha, o autorize a desejar; 

5. LINGUAGEM PONTUAL: Após compreender o desejo de seu pequeno, transmita as possibilidades de modo claro, sucinto e objetivo. Ex: “Eu entendo que você deseja ir ao Kidzânia, entretanto neste momento não é possível porque não temos tempo/dinheiro suficiente. Entendi o que você quer e verei o que é possível”. 

6. Importância da CONFIANÇA: Transmitir confiança, uma escuta por inteiro faz com que nossas crianças sejam respeitadas e, consequentemente, nós também seremos. Ex: “O que mamãe diz, mamãe faz! Pode confiar e ficar tranquilo”. 

7. Falar sobre SENTIMENTOS: Crianças se espelham em seus responsáveis. Que sejamos adultos com hábito de falar sobre o modo como sentimos para que eles não atuem com comportamentos de birra quando contrariados e que consigam falar sobre seus desejos de modo psicologicamente adequado. 

 Muita força para nós e que possamos dar sorrisos ao invés de mostrarmos os dentes e cuspir fogo pela boca.  

Juliana Buchatsky Kruglensky | Psicóloga Clínica | CRP 06/86329 

Cel.: (11) 99530-9034

Compartilhe esse texto