barra

Um estudo publicado no JAMA Open novamente nos gera preocupação com o uso abusivo de suplementos alimentares. Já falei desse assunto outras vezes, mas é importante repetir sempre que sai algo novo.

O estudo foi feito nos EUA, e mostrou que o FDA encontrou nos últimos anos mais de 700 suplementos que continham substâncias não declaradas em sua formulação. E quais as principais indicações dos suplementos? Melhora de performance sexual (45%), perda de peso (40%) e ganho de massa magra (10%).

O que os produtos continham? Basicamente medicações para disfunção erétil, para obesidade (o mais comum foi sibutramina) e anabolizantes. Nem sempre eram substâncias contra-indicadas ou proibidas (embora às vezes fossem, como anabolizantes e efedrina), mas independente disso a grande maioria das pessoas que usam esses suplementos se gabam de usar “produtos naturais”, “sem efeitos colaterais” ou são desaconselhados de usar medicações de prescrição por “fazerem mal”.

Infelizmente, temos a cultura de no Brasil achar que o que vem de fora é bom, e se é vendido em farmácias nos EUA é porque é seguro. O estudo mostra que diversas marcas que foram denunciadas por ter informações erradas continuaram a vender seu produto e foram pegas várias vezes fazendo irregularidades. Ou seja, a legislação lá pode sim ser bastante frouxa e levar a riscos à saúde. Infelizmente, o FDA (agência de vigilância sanitária americana) tem pouco poder sobre esses suplementos.

O recado é claro: suplementos alimentares são pouco regulamentados e fiscalizados e seu uso pode trazer consequências sérias para sua saúde(exemplo: uso de anabolizantes para ganho de massa; aumento de risco de infarto com efedrina) com risco de estar usando substâncias contra-indicadas e proibidas. Lembro que medicações de prescrição também trazem seus riscos e efeitos colaterais, mas ao menos você sabe exatamente o que está ingerindo.

Ref: Tucker, et al. Unapproved pharmaceutical ingredients included in dietary supplements associated with FDA warnings. JAMA Open 2018

 

Dr Bruno Halpern | Doutor em Endocrinologia – Faculdade de Medicina da USP / Vice-Presidente FLASO/Departamento Diabetes e Obesidade SBD – CRM-SP 124905/ RQE 55372