barra

Como pai, posso afirmar que sempre estou pensando no futuro da minha filha. Uma boa escola, boa educação, idioma, esportes, atividades, etc. Creio que faz parte do nosso dia a dia, das nossas preocupações. Muitas vezes significa sacrifícios pessoais, inclusive financeiros. Mas, se é pelo bem dos nossos filhos, porque não?

É contraditório, portanto, o fato de que quase nenhuma família planeja o futuro financeiro dos filhos. Você sabia que, com uma pequena quantia de dinheiro mensalmente, você poderia garantir um bom montante no futuro? Pode ser para pagar a faculdade, para estudar fora do país, ou simplesmente para que seu filho tenha uma reserva financeira. Quem não gostaria de ter chegado aos 18 anos com uma reserva? O que você teria feito de diferente se soubesse que teria, a sua disposição, dinheiro para fazer um intercâmbio, comprar um carro, ou até abrir um pequeno negócio?

Você já deve ter ouvido a seguinte frase: QUANTO ANTES COMEÇAR A POUPAR, MELHOR. Isso vale para sua aposentadoria, e também vale para a reserva que poderá constituir ao seu filho. Se você começar a juntar, por exemplo, R$75 por mês quando seu filho nascer, ao completar 18 anos ele teria nada menos do que R$35.000*. Se juntar R$130 por mês, ele teria, aos 18 anos, cerca de R$60.000*.

O mercado financeiro oferece algumas opções para quem quer poupar para os pequenos. O produto mais adequado, desenhado especificamente para isso, é a previdência privada. Porém, alguns bancos cobram taxas abusivas. Se você optar pela previdência privada, pesquise diversos bancos**, e não aceite pagar mais do que 2% de taxa de carregamento. Outros pontos importantes a avaliar são a modalidade da previdência (PGBL ou VGBL), e o tipo de tributação. Em relação a modalidade, cada família deve avaliar sua situação antes de decidir. Em relação ao imposto, sugiro a tributação regressiva. Nessa modalidade, a alíquota de imposto de renda começa em 35% para resgates em até 2 anos, mas cai a 10% para resgates após 10 anos, a menor alíquota de imposto de renda do Brasil.

Se você é uma pessoa financeiramente organizada, poderá fazer a previdência do seu filho sozinho. Assim, você economiza taxas e tarifas. Minha sugestão para os organizados é definir um valor mensal e comprar títulos do tesouro***.

*Depende da aplicação escolhida, dos custos do fundo e dos juros recebidos no período. Hoje a taxa básica da economia é 13% ao ano. Na simulação utilizei a taxa de 8% ao ano (após impostos). Essa taxa pode subir ou descer algumas vezes durante o período, e é impossível prever.

**Ao fazer a pesquisa, considere bancos de primeira linha, que estarão financeiramente saudáveis daqui a 20 anos

***Títulos públicos são o instrumento de renda fixa mais seguros do país. Você pode acessar o site do tesouro direto ou conversar com seu banco a respeito. Pesquise bem as taxas e tarifas cobradas, elas podem variar muito de banco pra banco. As corretoras também oferecem o serviço, e algumas não cobram nada. Para ser mais conservador, compre títulos pós fixados.

Alexandre Neufeld | Administrador de empresas com pós graduação em economia de empresas 

E-mail: neufeld.ale@hotmail.com