barra

Olá mamis, hoje vou falar de um assunto sério e que infelizmente tem sido cada vez mais frequentes nos consultórios.

Os transtornos alimentares são síndromes psiquiátricas caracterizadas por alterações no comportamento alimentar, podendo levar ao emagrecimento extremo. Os principais tipos de transtorno alimentar são a anorexia nervosa e a bulimia, que tem como características comuns uma obsessão pela perfeição do corpo, levando a uma intensa preocupação com o peso e o medo excessivo de engordar, uma percepção distorcida da forma corporal, e a auto avaliação baseada no peso e na forma física.

A etiologia desses transtornos é multifatorial, ou seja, são originados através da interação de vários fatores: os individuais, como traços de personalidade, história de transtornos psiquiátricos, alterações biológicas e experiências traumáticas; fatores familiares, como a herança genética e o padrão de interação familiar; e os fatores socioculturais, como a cultura da magreza, a valorização do ideal magro de beleza.

Nas crianças e adolescentes, complicações comuns destas doenças incluem prejuízo no crescimento, retardo na maturação sexual e ausência de menstruação nas meninas, prejuízos dentários, constipação ou diarreia, cansaço e alterações cardiovasculares.

É importante prestar atenção ao comportamento da criança e adolescente, pois existem alguns sinais que podem indicar a presença de transtornos alimentares, como:

– baixa auto estima

– vasto conhecimento sobre as calorias dos alimentos

– medo de engordar ou parecer gorda

– episódios de superalimentação seguidos de medidas compensatórias (vômito, jejum, exercício físico em excesso, uso de diuréticos e laxantes)

– prática de dietas e restrição de alguns alimentos que antes eram aceitos

– perda de peso sem motivo aparente

– “estranhos” hábitos alimentares (recusa em se alimentar junto com a família, comer em segredo, comer apenas determinados alimentos)

– atitudes negativas em relação ao peso atual

– beber muito líquido nas refeições e com isso comer pouco

– ir frequentemente ao banheiro logo após se alimentar

Prevenção:

– Não estimular a prática de dietas com alimentos “proibidos” e “permitidos” e sim encorajar a realização de uma alimentação saudável. As dietas são fatores de risco para os transtornos alimentares.

– Os pais devem ser o exemplo de como manter uma imagem corporal positiva. Não devem fazer comentários depreciativos sobre o próprio corpo e sobre o corpo dos filhos.

– Encorajar a realização de refeições em família.

 

Caso notem os comportamentos descritos acima os pais devem buscar ajuda especializada. O tratamento da anorexia e da bulimia deve ser feito por uma equipe interdisciplinar, composta por pediatra, psiquiatra, psicólogo e nutricionista.

Um beijo a todas,

 

Michelle Fischer | Nutricionista

E-mail: michellefnutri@hotmail.com