barra

Costumo dizer que um dos horários de pico na rotina da minha casa é a saída para a escola. Acordar, colocar o uniforme, dar o café da manhã, escovar os dentes, arrumar os cabelos das meninas (principalmente em dias que o pedido é para fazer trança), vestir ou melhor, convencer duas crianças a vestirem os seus casacos e ainda assim estar arrumada (entenda-se por arrumada, vestida, maquiada e com café da manhã tomado), não é tarefa fácil para ninguém. E antes que você se pergunte se eu tenho ajuda, a resposta é sim, mas mesmo assim, continua sendo um desafio sair de casa no horário. O fato é que quando entramos no carro, já passamos por tudo isso e o dia ainda está começando.

Nós optamos por morar longe da escola, então tem um caminho longo para ser percorrido de manhã. Geralmente, depois da saga da arrumação, logo quando entram no carro elas pedem para ouvir as suas músicas preferidas, aquelas da playlist que cada uma já tem (na minha época era a estação de rádio que pagava no ajuste manual, ah, e o toca fitas). E a gente vai negociando ao longo do caminho para atender a todos os pedidos.

Na semana passada, houve uma discussão entre as meninas por qual música tocar, depois da maratona da manhã e da madrugada (as noites ainda não são bem resolvidas em casa), eu cansada, resolvi desligar o rádio. Na mesma hora houve um silêncio como um sinal de discordância sobre a minha decisão, não houve reclamação, somente um silêncio e uma troca de olhares cúmplices entre elas. Não demorou muito e começamos a conversar, perguntas curiosas da idade surgiram, contos sobre as atividades da escola surgiram, abrimos uma loja de roupas imaginária onde nós éramos as estilistas e as costureiras, fizemos contas e até reduzimos os custos da tal loja, e a conversa se estendeu até a porta da escola, com um beijo de despedida. Simples assim. E eu fiquei tão feliz que o nosso dia estava apenas começando e que poderíamos continuar a conversa mais tarde, no caminho de volta.

Em algumas conversas com mães, clientes ou não, me deparo com pessoas em busca de uma relação melhor com seus filhos, com menos cobranças e mais diálogos, uma mudança simples de comportamento pode gerar consequências muito agradáveis no seu dia. Simples não quer dizer fácil, demanda devoção e disciplina, não são todos os dias que eu consigo desligar o rádio. No meu caso, naquele e em alguns outros dias, acrescentei um tempo de qualidade com as minhas filhas numa atividade rotineira, na verdade acrescentei um tempo de qualidade para mim.

E você…

  • Quais mudanças simples você gostaria de realizar na sua rotina?
  • O que você acha que poderá acontecer?
  • O que te impede de começar a mudar?

 

Cristiane Vicchiato | Coach, cofundadora da Eight∞ Coaching, administradora

E-mail: cristiane@8coaching.com.br/