barra

Com as recentes notícias sobre casos de abuso sexual na mídia, a preocupação das mães sobre como conversar com crianças e adolescentes sobre o assunto tem aumentado a cada dia. A prevenção da violência sexual se dá através de diálogo aberto e franco. Por isso, é importante mantermos sempre um canal de conversa, para que se algo suspeito aconteça, as crianças tenham confiança em contar. Pensando nisso, preparamos sete dicas de como proteger nossos filhos:

1- A primeira informação que a criança precisa ter, desde a primeira infância, é de que seu corpo é só dela, e que ninguém tem o direito de tocá-lo e que, caso aconteça, você precisa saber.

2- As partes do corpo das crianças devem ser nomeadas e elas devem ser orientadas sobre cada lugar que não podem ser tocadas por qualquer pessoa.

3- O agressor sexual, na maioria dos casos, é uma pessoa conhecida e, geralmente da família. Por isso, devemos estar atentas quando as crianças demonstrarem medo e/ou repulsa por um adulto. Apesar disso, é importante manter a orientação de que se deve evitar conversar com estranhos.

4- A internet é hoje importante palco para a abordagem de agressores sexuais. Portanto, oriente seus filhos quanto a esses riscos e mantenha filtros atualizados nos computadores. Acompanhe o histórico de navegação deles.

5- Se seu filho já usa rede sociais, como Facebook, Instagram, Snapchat e TikTok, permita apenas que eles tenham contas fechadas, liberem fotos e outras informações apenas para quem conheçam de fato. Nunca publiquem e/ou deixem que coloquem fotos com roupas de piscina, uniforme ou em frente a escolas, academias e/ou clubes.

6- Qualquer mudança brusca de comportamento das crianças devem ser avaliadas com cuidado. Queixas escolares, atitudes inadequadas à sua faixa etária, bem como comportamento sexualizado, podem ser sinais de abuso sexual, mas não são sinônimos.

7- Crianças não mentem e não fantasiam sobre a ocorrência de abuso sexual. Se seu filho lhe contar que algo está acontecendo, acredite. Na dúvida, consulte um especialista!

 

Daniela Pedroso é psicóloga, mestre em saúde materno-infantil, possui 23 anos de experiência com abuso sexual de crianças, adolescentes e mulheres adultas. Atende em consultório particular e também ministra palestras sobre o tema.

dani.pedroso@uol.com.br