7 Dicas – Como Educar Musicalmente as Crianças

-

Se há algo que podemos considerar preferência universal é a música. Ela ultrapassa barreiras, une povos e tem o poder de provocar sentimentos, trazer lembranças à tona e influenciar nosso estado de espírito.  

Só que nesses tempos de funk e canções com letras vulgares e que muitas vezes fazem apologia ao crime, precisamos aproveitar que nossos filhos estão em idade formativa para tentar levá-los para o bom caminho musical, digamos assim. Como grande observadora dos benefícios que a musica traz para crianças e adultos, aí vão 7 dicas de como ajudar seu filho ou filha a descobrir e ampliar suas preferências musicais e aproveitar-se delas em sua plenitude. 

1. Não faça o que eu digo, só ouça o que eu ouço: claro que nos primeiros anos, seu bebê ou filho pequeno vai ouvir as lindas canções de ninar, as músicas infantis de seus programas prediletos e as musiquinhas das festas dos amigos. Porém, a medida que vão crescendo, as crianças passam a ter a influência externa das rádios e daquilo que seus amigos escutam. E nesse momento que você pode começar a introduzir algo diferente ao menu musical deles. Curte um rock das antigas? Coloque no rádio durante o trajeto até a escola. Gosta de um cantor ou cantora especifica? Manda um “olha, filho(a), que voz linda!” com entusiasmo e empresta o fone de ouvido. Aos pouquinhos você abre a cabeça da criança pra outras coisas. 

2. Não tenha vergonha do que você gosta: particularmente nunca sofri desse mal; sempre assumi com orgulho muitas das minhas preferências sem constrangimento, saibam vocês, amigas mães, que amo musicais; adoro as trilhas de filmes da Disney; curto umas musicas clássicas da hora; rola um sambinha sem problema; sertanejo tipo Evidências é top; Charles Aznavour compõe que é uma beleza e a voz do Michael Crawford é vida. No começo, foi difícil para meus filhos entenderem meus gostos e obviamente rolava uma gozação aqui e ali. Mas ao me manter forte nas minhas convicções e fazê-los entender que eles precisavam respeitar que existem outras preferências, eles pararam de protestar e hoje até apreciam muitas das musicas que relutavam em ouvir. 

 3. Negocia, fia! Muitas vezes você encontrará crianças que realmente se recusam a ouvir coisas que não queiram. Nesse momento, parece bobagem insistir quando há questões muito mais relevantes para se “comprar uma briga”. Porém, essa questão não deixa de ser uma oportunidade educacional. Por que é a criança que deve ditar a trilha sonora da residência? Então negocie: alterne as músicas. Uma sua, uma da criança, uma do irmão, etc. Assim todos se sentem prestigiados e você consegue introduzir um repertório mais amplo para as crianças. 

 4. Faça programações musicais com a prole: Há muitas boas opções para as crianças conhecerem musica. Palavra Cantada sempre é um bom começo. Tiquequê, Barbatuques e afins introduzem a percussão e melodias. Beatles para Crianças, espetáculos de música clássica trazem a possibilidade de descobrir as canções criadas antes das crianças nascerem. Tente introduzir um passeio que envolva musica, mesmo que seja algo rápido ou que habitualmente a criança não teria paciência de fazer. Experimentar sempre pode trazer benefícios e pode ser o começo de mais um hábito familiar. 

 5. Desperte a curiosidade para fatos interessantes: Normal apreciar a música em silêncio, ou cantar junto. Menos normal é nos darmos ao trabalho de nos informar melhor sobre essa música. Aproveite para conversar com seus filhos sobre uma determinada música, ou banda, ou cantor. Conte anedotas ou fatos curiosos. Pesquise junto no Google. Mas claro, selecione e edite algumas informações de acordo com a faixa etária. De repente, pode ser novidade para você saber que a música Hey Jude não é apenas um hit de Paul McCartney no qual você pode dar uns berros na hora do nananananana. É também uma música que Paul compôs para o filho de John Lennon, Julian, que estava sofrendo de coração partido. Outra possibilidade é chamar a atenção das crianças para as trilhas sonoras de filme. Muitas vezes elas estão tão absorvidas com a história que mal reparam que a música esta fazendo tudo para dar o clima à cena. Um bom começo é ensinar as crianças sobre John Williams, um dos maiores compositores vivos de todos os tempos. Ele é responsável, entre outras, pelas trilhas de ET, Indiana Jones, Star Wars, Superman, Lista de Schindler, Tubarão e Harry Potter.  

6. Instrumentos musicais são instrumentos de educação: se possível, em algum momento da vida, e de preferência na infância, ofereça a possibilidade de seu filho(a) fazer aula de algum instrumento musical ou de canto. Já falei disso em outro texto que escrevi para o Mamis, mas sob o risco de ser repetitiva, são enormes os benefícios. Melhora a coordenação motora, o raciocínio e a concentração; tem comprovada ligação com a matemática; lida com questões emocionais como a possibilidade do erro, a dedicação, o respeito ao silencio e ao momento do outro, além da recompensa da música bem tocada. Ajuda com timidez e auto-estima. E ainda que a criança não faça aula de música por muito tempo, ela levará os ensinamentos com ela para a vida adulta. 

7. Hoje é dia de ser leve, bebêAcho maravilhoso se vocês conseguirem aplicar essas diquinhas no dia a dia de vocês mas, por favor, não se aflijam se não rolar de imediato. Às vezes a música é um instrumento de socialização entre as crianças, e elas querem “seguir a maré”  pra estarem a par das modas e do que os amigos ouvem. Nem sempre será possível lutar contra isso, e talvez seus filhos apareçam cantarolando algo que vão deixar vocês de cabelo em pé; nessas horas é bom respirar fundo, ter conversas francas e explicar porque certas musicas não são legais pra eles. Pode ser que ouçam, pode ser que não; mas nessa hora não custa cantarolar: “Reconhece a queda, e não desanima; levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima!” 

 

Claudia Hemsi Leventhal | Advogada (na teoria), apaixonada por música (na prática) e querendo contaminar todo mundo na vibe.    

Compartilhe esse texto