Uma mãe que se ama, ama ainda mais o seu filho

-

A maternidade traz uma enorme demanda e as exigências são altas. Algumas mulheres tiram de letra, outras ficam aflitas e se sentem exaustas. Essa exaustão faz com que muitas esqueçam de si mesmas porque parece não sobrar nenhuma energia.

Os anos passam, os filhos crescem e começa a sobrar algum tempo. E é nessa hora que muitas mulheres que investiram com tanta dedicação na tarefa de ser mãe, se olham no espelho com estranhamento. Muitas reconhecem a aparência cansada, o ganho de peso, a perda de disposição e a autoestima abalada.

É preciso coragem para tomar uma atitude, porque quando uma pessoa não se sente satisfeita consigo própria, corre o risco de se deprimir. Uma mulher deprimida e insatisfeita faz involuntariamente a sua vida desandar.

Se a vida desanda, sobra para todos os lados. O casamento vai na corda bamba, o humor já era e o amor vai pro brejo. E claro, os filhos também podem ser prejudicados.

Sinal de alerta. Hora de tomar uma atitude e procurar ajuda. Personal trainers, terapia, nutricionista, grupos de apoio, médicos especializados, dentista, um bom cabeleireiro, meditação, acunpuntura, praticar esportes e todos os recursos para estar bem são válidos. Toda ajuda é benvinda.

Investir amorosamente em si mesma e entrar em um ciclo virtuoso de amor próprio. Uma mulher que se ama é mais feliz. Uma mulher feliz irradia alegria e boa energia a todos. Uma mãe feliz é capaz de ser melhor mãe. A família agradece.

Pensando nisso, eu, Karin Szapiro, psicanalista, junto com a nutricionista Karina Wajchenberg, criamos o Projeto BemViver – equilíbrio e saúde. São grupos de frequência semanal que visam o emagrecimento, o bem estar, a qualidade de vida, a incorporação de bons hábitos e o autoconhecimento. Venha conhecer.

 

Karin Szapiro | Psicanalista

Psicanalista, membro filiado da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo, atende jovens e adultos em consultório particular.

Tel.: (11) 98116-3355

Compartilhe esse texto