Série Sobre Drogas – Tabaco

-

A grande maioria dos jovens e da população em geral compreende os males trazidos pelo tabaco (produtos do tabaco, vindo de plantas). Porém, o que muitos não sabem é que uma única experiência pode colocar o indivíduo em risco para o vício. O uso de tabaco pode ser influenciado pelo uso da família e amigos, alguma dificuldade em casa ou na escola, fácil acesso e baixo custo, além da exposição à propaganda de tabaco (em filmes e séries, por exemplo).

A nicotina aumenta a atenção e concentração, diminui o apetite e os sintomas de ansiedade, Atinge o cérebro em até 10 segundos, com pico de ação em 10 minutos e duração de até 2 horas, Em não fumantes, um cigarro é suficiente para produzir sintomas como tontura, náusea e cefaleia. A absorção é feita pelas mucosas da boca e nariz, pela pele e sistema gastrointestinal; 90% do que é consumido passa pelos pulmões, depois coração e a seguir, todo o corpo (cérebro, fígado, rins e etc.). O metabolismo é no fígado e a excreção, renal. Pode ser encontrado no suor, saliva, placenta e leite materno.

São tipos de consumo, além do convencional:

– cigarros de palha (sem filtro, inala-se mais alcatrão e monóxido de carbono);

– Krekets ou cigarros de cravo (mais doces);

– charuto (folhas de tabaco tratadas e envelhecidas);

– rapé seco (folha picada e cheirada);

– rapé úmido/de mascar (não é ingerido, é colocado próximo à gengiva ou abaixo da língua; também chamado de Snus, é muito comum na Suécia);

-narguilé (o fumo queima sobre carvão e a fumaça é esfriada em reservatório com água; ao tabaco são adicionadas substâncias aromáticas).

O uso do tabaco favorece o uso de álcool e outras substâncias. Na Síndrome de Abstinência, o usuário pode sofrer alterações do sono, humor, concentração e coordenação motora. Consumir tabaco expõe o paciente a mais doenças cardiovasculares (como o infarto), doenças respiratórias (enfisema), câncer (pulmão, boca, bexiga, pâncreas, etc.), osteoporose, alterações dermatológicas, entre muitos outros.  Seu uso em mulheres, quando associado a método anticoncepcional hormonal, aumenta chances de eventos como infarto e embolia pulmonar. A redução dos danos pode ser feita com o consumo de nicotina – e não mais de todos os componentes associados – através de gomas de mascar e adesivos.

 

Bianca Rodrigues de Godoy Lundberg | Médica de Adolescentes. Faz acompanhamento de rotina dos jovens de 10 a 20 anos de idade em consultório na Vila Clementino, zona Sul de São Paulo, há cinco anos.

Mais informações em www.biancalundberg.com

Compartilhe esse texto