barra

Mamães, cada vez mais nestes meus 20 anos de pediatria tenho encontrado menos mães com vontade de amamentar, ora porque vão ter que em algum momento voltar a trabalhar, e ai não veem função em amamentar “somente” quatro meses, ora porque tem medo das mudanças do corpo, algumas ainda reclamam de não querer que o beba fique mimado…

Amamentar não é dar o seio, amamentar é se dar, se dar por inteiro, se dar de uma forma que em nenhuma outra situação seria imaginável ou possível, é a união onde a mãe tem a chance de alimentar não só com leite, mas com amor e proteção ao seu filho.

Bem vamos ser técnicos: não existe leite fraco, a grande maioria das mães produz leite em quantidade ideal para seu filho e com poder nutricional idem, poucas são as mães que não seguem essa regra, e assim mesmo existem medicações e técnicas para aumentar a produção do leite.

Vá para um lugar tranquilo e acolhedor de sua casa (não se preocupe se a TV ou o radio estão ligados, é preciso relaxar…), procure tirar a sua roupa da cintura para cima (isso mesmo, é pra se despir!), tire a roupa do bebe (não mamãe, ele não vai morrer de frio, nem virar um smurf…) cole pele com pele, carne com carne, o calor da mãe esquenta o filho, cubra por fora o nenê com uma manta e de sequencia a amamentação.

Inicie por um seio tendo a certeza que o bebe esta pegando toda a oreola, faça com que ele não masque o seio (dói!) procure fazer da amamentação um ato de prazer não de dor, o bebe deve mamar por 20 a 30 minutos o primeiro seio para que possa chegar à parte gorda do leite , depois se após arrotar quiser ir para o outro vá sem medo , amamente pelo tempo que ele quiser, faça o esquema de um seio depois o segundo e na outra mamada inicie pelo que foi o ultimo, ou de um seio por vez; quem manda não nos somos, é o bebe.

Lembre-se que existem três posições básicas para amamentar interna (tradicional), invertida e em cavaleiro (com o bebe sentado) sempre que possível troque as posições para não pegar sempre o mesmo ângulo da oreola evitando machuca-la.

Vou fechar esse papo com uma anedota da minha santa avó:

Quando eu tinha uns 25 anos ouvi uma vez minha vó dizendo:

Ser  mãe é padecer  … no inferno !!

Vó que coisa feia disse eu para ela.

Doutor Nelson Douglas Ejzenbaum | www.clinicaejzenbaum.com.br