barra

Antes das dicas, vamos falar um pouco sobre o que é dermatite atópica:

É uma doença crônica, ou seja, significa que vai ter períodos de melhora e de exacerbação, ou seja, se apresenta em surtos.

Aparece precocemente, após o primeiro ano de vida e em 60% dos casos melhora até a adolescência.

As lesões características são o ressecamento da pele, com presença de fissuras e prurido, principalmente nas dobras flexoras ( cotovelos e joelhos). Além de placas avermelhadas na face, tronco e superficie externa dos membros superiores e inferiores.

Muitas vezes a dermatite atópica pode estar acompanhada de rinite alérgica ou asma.

Por que a pele do atópico é ressecada? Isso acontece por um defeito genético, que faz com que a barreira da pele, que chamamos de barreira cutânea, apresente uma deficiência em gorduras, que faz com que ela perca mais água e consequentemente, torna- se mais frágil, sensível, ressecada e suscetível a infecções, assim como apresente uma resposta exacerbada a agentes irritantes como perfume, tecido sintético, sabonetes abrasivos ou buchas, entre outros.

Entre os fatores que podem desencadear ou piorar os sintomas, estão: alergias a pólen, mofo, ácaros ou animais, gripe ou resfriado, pele seca, fragrâncias ou corantes adicionados a loções ou sabonetes, estresse, etc

Vamos às dicas:

1. Não coçar: a pele é o nosso órgão com maior inervação, ou seja, quanto mais a criança coça a pele, maior é a liberação de agentes inflamatórios da pele, que provoca mais coceira. Ou seja, é um ciclo vicioso;

2. Banho: deve ser rápido e morno, no máximo 10 minutos. Banho de imersão, ou seja, na banheira é melhor, pois o jato do chuveiro pode agredir a pele. Sabonete em pouca quantidade, principalmente para limpeza da axila e genitais, não usar bucha. banho

3. Evitar perda de água da pele: No último enxágue do banho,  utilize óleo  de amêndoas doces, seque a criança  sem esfregar a toalha e aplique rapidamente o emoliente.

4- Hidratar muito: os hidratantes atuais são fisiológicos, ou seja, se assemelham ao manto hidrolipidico da pele, com isso devolvem a integridade da barreira cutânea, tornando a pele mais hidratada e consequentemente reduzindo a coceira, fissuras e lesões infecciosas secundárias.

dermatite

Já chegou ao Brasil os hidratantes feitos com aveia coloidal, que tem a capacidade de diminuir o processo inflamatório da pele.

5. Corticóide tópico e imunomoduladores: Os corticóides atuam como antiinflamatórios da pele, reduzindo a coceira e as lesões. No entanto, o seu uso indiscriminado pode trazer consequencial como alterações da pigmentação e afinamento da pele. Os imunomoduladores são mais avançados e sua proposta é modular a hiperrreatividade inflamatória, através da inibição do receptor de calcineurina, sem trazer os efeitos adversos dos corticóides. Foi um dos maiores avanços nos últimos anos tanto para dermatite atópica, como vitiligo.

6. Coceira: além das medidas já descritas, os anti-histamínicos auxiliam no controle do processo alérgico. Uma queixa muito comum tanto dos  pais como das crianças atópicas é o prurido noturno, que não permite uma boa noite de sono, torna a criança mais irritada. Sabe- se que há correlação entre o stress e piora da dermatite atópica.

7. Novidades: no último congresso da academia americana de dermatologia e também no simpósio de dermatite atópica de São Paulo, falou- se muito na utilização de lactobacilos como coadjuvante ao tratamento. Pois na infância o trata gastrointestinal tem um importante papel na ativação do sistema imunológico e na sua modulação. Além disso a utilização de óleos por via oral ricos em ômega 3, 6 e 9 também ajudam a melhorar a coesão e adesividade celular.

O mais importante, ser crônico, não significa que não tem como cuidar. É possível tratar sim.

Dra Helua Mussa Gazi | Clínica Belle Santé Dermatologia

clinicabellesante@hotmail.com

Compartilhe