barra

Na minha casa procuro manter uma alimentação mais natural possível. Evito ao máximo comprar enlatados, milho só compro orgânico (fujo dos transgênicos), congelados não existem. Suco de caixinha compro só 100% fruta, e também costumo deixar sucos prontos na geladeira sem açúcar (beber suco sem açúcar é hábito, rapidinho nos acostumamos). Aqui faço suco de limão, laranja Bahia, maracujá, goiaba e chás gelados.

E de preferência sempre adquirindo os produtos orgânicos. Sim, a oferta de orgânicos cresce a cada dia. Mas temos que saber pinçar, se entro num mercado convencional, vou para o setor de orgânicos para ver o que temos disponível. As frutas, legumes, verduras, e ervas em casa já são praticamente todos. Nessa parte de hortifruti faço questão de manter só alimentos sustentáveis, produzidos sem produtos químicos. É mais trabalhoso, mas vale a nossa saúde.

Porque é mais trabalhoso? Porque não conseguimos fazer uma compra de uma vez só. Sim, precisamos ir a mais de 3 lugares para que possamos abastecer nossas dispensas com produtos saudáveis. No começo eu estranhei, mas já me adaptei aos macetes e hoje tiro de letra. Já conheço todos os cantinhos que posso encontrar e dias da semana melhores para ir em cada estabelecimento.

Por exemplo, na minha casa todos tem paixão por morango, mas só compro se for orgânico. O tomate também, pois são 2 itens com uma incidência muito grande de agrotóxico em seu processo produtivo (85% do morango convencional é pesticida!).

Algumas frutas que não encontro eu dou preferência às importadas, pois lá a produção é bem mais consciente: como exemplo temos perinhas vindas da Espanha e aquele Kiwi SUNGOLD. O mesmo faço para massas. Aí vem a questão, mas vou gastar mais por isso? Sim, acabamos gastando um pouco mais, mas é pelo nosso bem-estar e pela nossa saúde.

E agora encontramos até leite, queijo e iogurte orgânicos.

Algumas dicas:

Às quartas-feiras é o dia ideal para ir no Instituto Chão, na Vila Madalena. É o dia que chega tudo fresquinho e conseguimos escolher os melhores produtos. O que encontro lá: maracujá, abacaxi, caqui, tomate, abacate, banana, ervas, goiaba, laranjas, arroz, feijão, milho, fubá, pão de queijo, laticínios, trigo, soja.

Morangos normalmente encontro na feira de orgânicos do Parque da Água branca aos sábados. Lá também tem pães, bolos, geléias, maças, cacau, castanhas…

No Santa Luzia também já encontramos bastante Hortifrutti orgânico, porém o preço é bem mais salgado, mas não deixa de ser uma opção.

E se você quer praticidade e comodidade, a Fazenda Maria entrega na sua casa cestas com todos esses produtos. A cada semana eles variam as qualidades dos itens, têm frutas, legumes, ervas aromáticas para tempero e para chá, flores comestíveis, hortaliças e brotos.

Eu aderi a esse novo conceito de vida. Consumir produtos saudáveis, preservando a saúde de todos aqui em casa. Hortaliças produzidas pelo método convencional são repletas de inseticidas, agrotóxicos e uréia. Tudo isso fica depositado nos produtos e ao ingerirmos eles ficam em nosso corpo. Cruel, né? Pesquisas apontam que cada pessoa chega a consumir 5 litros de agrotóxico por ano através da alimentação. Muito preocupante.

Por isso, vamos nos conscientizar e estender isso aos amigos e conhecidos próximos. Quem sabe em alguns anos o Brasil começa a plantar só de forma orgânica e sustentável. Será muito utópico? Talvez! Mas depende de nós!

Vamos fazer a diferença? Quanto maior a procura, maior a oferta! E assim, a tendência é diminuir os preços (é o que mais queremos).  Acho que podemos começar plantando nossa semente de conhecimento. Vamos?

 

Deborah Gaiotto |Publicitária de formação e hoje idealizadora do projeto “Deborah na Fazenda”

Gerente Comercial na empresa “Fazenda Maria”. Ganhadora do prêmio “Mulher de Negócios 2013”. Em prol de um mundo mais consciente e sustentável.

Email: deborah@fazendamaria.com.br