barra

O assoalho pélvico é composto por várias estruturas musculares e tendíneas que “sustentam” os órgãos pélvicos tais como o útero e a bexiga.  Mas eles têm somente está função? Não. Esta gama de músculos além de auxiliarem na função esfincteriana intestinal e urinária também ajudam na atividade sexual e no trabalho de parto.

Os músculos que fazem parte do assoalho pélvico são os que circundam a uretra, a vagina e o reto, sendo o mais conhecido e importante o músculo do períneo. Os músculos do assoalho pélvico (MAP) também participam do controle da postura (juntamente com os abdominais e os músculos da parte inferior das costas) estabilizando a bacia. Estudos revelam que pessoas com fraqueza nestes músculos podem também apresentar dor lombar crônica.

Existem uma série de ocorrências que podem levar a fraqueza, frouxidão e perda de função destes músculos em mulheres, tais como: cirurgias envolvendo o canal anal pode levar a problemas no controle da continência das fezes; as lesões no períneo (por estiramento dos músculos vaginais) e no canal anal durante o parto vaginal pode levar a problemas de continência da urina e fezes; as lesões do nervo pudendo (nervo que controla os músculos do assoalho pélvico) podem ocorrer durante os partos prolongados, principalmente de crianças acima de 3 Kg; e também devido ao processo de envelhecimento leva a fraqueza dos músculos, inclusive os músculos do assoalho pélvico.

Muitas mulheres não sabem identificar ou até mesmo se estão executando a contração dos músculos do assoalho pélvico corretamente, tanto que acionam os músculos dos glúteos ou coxas e não recrutam os músculos certos, podendo ter efeitos contrários ao do esperado.

Vou descrever 2 exercícios bem simples, mas que não substitui um acompanhamento mais específico e profissional, como de um fisioterapeuta.

Exercício 1:

Sente-se em cima de uma bola de borracha, faça uma inspiração curta de aproximadamente 4 segundos e no momento da expiração solte o ar em um tempo maior de 8 a 10 segundos executando a contração da musculatura de períneo de forma ativa como fosse ¨segurar a urina¨. Sempre na inspiração relaxe a musculatura do períneo e repita novamente de 10 a 15 vezes.

Exercício 2:

Sente-se e coloque agora a bola de borracha entre os joelhos. Inspire tranquilamente e no momento da expiração aperte a bola e contraia a musculatura mais próximas da virilha e não as próximas dos joelhos, expirando num tempo prolongado de 8 a 10 segundos. Repetir de 10 a 15 vezes.

Se durante seu dia a dia perceber que têm muito escape e não consegue controlar a urina ou fezes, ou até mesmo algum outro desconforto na região do assoalho pélvico, procure imediatamente seu médico.

Adriana Cristina Mariano | Fisioterapeuta Dermatofuncional e Instrutora de Pilates instrutora de Pilates e especialista em gestantes, pré e pós parto na  Saude & Pilates Apinajés

Email: consultorioapinajes203@gmail.com