barra

Constelação Familiar Sistêmica – nome dado por Bert Hellinger, psicoterapeuta alemão, para um trabalho que visa ir além da nossa consciência pessoal, com a qual lidamos no cotidiano. Tem um propósito diferente das psicoterapias convencionais, podendo, entretanto, complementá-las perfeitamente.

Constelação Familiar é uma vivência, na qual a mente racional precisa ser deixada de lado, para uma compreensão através do coração. É a busca do desenvolvimento da Consciência Sistêmica para descobrir que existem fatos sobre os quais não temos consciência, mas que mesmo assim nos fazem sofrer.

Hoje, já se se pode afirmar, que mais de 60% dos nossos sofrimentos têm suas causas nos desequilíbrios dos sistemas familiares. Existem alguns pressupostos para o desenvolvimento da Consciência Sistêmica e para compreender a vivência da Constelação Familiar:

  1. Somos parte de um Sistema Familiar, no qual ocupamos um lugar, relacionando-nos com ele constante e inconscientemente. Este sistema possui uma memória de tudo o que aconteceu com as pessoas, principalmente dos fatos relevantes do mesmo, positivos ou negativos. Ali aprendemos sobre o amor, pois somos frutos dele, porém este amor pode ter se tornado saudável ou não.
  2. Bert Hellinger percorre o Caminho Fenomenológico que é o conhecimento que não nos chega através do mental, mas sim através de uma entrega profunda aos fenômenos observados. Neste caminho busca-se a compreensão além da razão, além da mente e do psicológico.

 

Bert Hellinger descobriu Três Leis Sistêmicas que regem os sistemas:

1– Lei do Pertencimento: todas as pessoas têm direito a pertencer a seu sistema. Quando isto não acontece surgem os desequilíbrios no sistema.

2- Lei da Hierarquia: existe uma ordem de chegada dentro de um sistema familiar e esta deve ser respeitada para que flua o amor e a harmonia. Por ex.: os pais, dentro desta ordem vieram antes dos filhos e devem ser respeitados e amados pelos filhos.

3- Lei do Equilíbrio de Troca: entre as pessoas deve existir o dar e receber de forma equilibrada. Quando damos mais amor e atenção ao outro e não recebemos na mesma quantidade, nos sentimos ressentidos ou “cobradores”. E vice-versa, quando recebemos muito amor e não o damos na mesma medida, nos sentimos “devedores”, sentindo culpa e medo, com a tendência de nos afastar. Esta lei atua nas relações afetivas, de amizade, profissionais e íntimas.

Os sistemas funcionam regidos por estas três Leis Sistêmicas, que se transgredidas, em geral de forma inconsciente, poderão nos desequilibrar e nos levar ao aprisionamento ou emaranhamentos com sentimentos de angústia, medo ou culpa, entre outros, sem que consigamos nos desvencilhar deles. Apesar de todo esforço que possamos fazer para compreender nossos sofrimentos, permanecemos no círculo vicioso da dor, doenças emocionais, psíquicas ou físicas. Muitas vezes as pertencem ao nosso Sistema de Origem e não são exatamente nossas.

No trabalho de Constelação o que importa são os movimentos que acontecem naturalmente, dentro do Campo Sistêmico ou Campo Quântico, que possui a memória dos acontecimentos do sistema familiar, semelhante à memória que temos sobre nossa vida individual.

Pertencemos também a outros sistemas além do familiar, como o da escola, do trabalho, da classe profissional, da cidade, estado, pais, do mundo, do universo e mais além. O nosso corpo é também um sistema, onde todos os órgãos se relacionam e seguem leis precisas.

O propósito da Constelação é olhar para as Leis Sistêmicas, observando seus desequilíbrios, buscando a solução para os conflitos gerados por eles. O Constelador Familiar e o Cliente se expõem ao Campo Sistêmico do cliente, para conhecerem o que o sistema se dispõe a revelar, e assim encontrarem clareza e soluções para uma vida mais livre e plena.

A vivência da Constelação Familiar pode ser realizada em grupo ou individualmente. A formação do Constelador é longa, por não se tratar apenas do simples aprendizado de uma técnica, mas principalmente de uma entrega profunda a uma “guiança” a Algo Maior, ou seja, ao Movimento do Espírito.

Hoje se aplica o trabalho de Constelação Sistêmica em empresas, escolas etc, mostrando assim a contribuição que pode trazer para auxiliar no fluxo do amor e da harmonia, dentro dos mais diversos sistemas.

Quem quiser aprofundar neste estudo, sugiro o livro: Constelações Familiares – Conversas sobre emaranhamentos e soluções, de Bert Hellinger e Gabriele tem Hövel. Leitura fácil com esclarecimentos básicos.

Maria Elisa Cattoni | Fonoaudióloga e Terapeuta, Constelação Familiar Sistêmica,  Jin Shin Jyutsu e Estudo Numerológico

www.elisacattoni.com.br