barra

Vamos lá falar desse assunto bem polêmico, né? Muitas mulheres que vão ler esse texto já tiveram seus bebes, algumas usaram a cinta e outras não e cada uma delas tem uma experiência diferente sobre esse assunto! E para quem que está pensando em engravidar ou está gestante convido a refletirem comigo. Quando pensamos no pós parto uns dos maiores medos da mulher moderna é a volta do seu corpo, e queremos isso de preferência de forma rápida. Assim muitas de nós acreditamos que a cinta vá cumprir essa função.

Passamos 9 meses gestando, e durante esse período nosso corpo vai se adaptando lentamente às mudanças físicas como o aumento do peso, o estiramento dos músculos abdominais, a mudança no eixo da gravidade que faz com que nossa postura fique diferente e o períneo que também é sobrecarregado para suportar o aumento do útero. Ai chega o momento do parto, que pode durar poucas horas como na Cesárea ou muitas horas num parto normal, mas independente da via de parto, de repente, em algumas horas aquele bebezinho está fora de nós, assim como a placenta, uma boa quantidade de sangue e líquidos.

Em poucas horas temos uma perda considerável de peso, e tudo lá dentro fica meio ‘solto’’. Se o parto for cesárea você terá uma linda cicatriz, pontos, etc… e se for normal por mais fisiológico que o parto seja, convenhamos que passar por esse processo não é um passeio no parque. Você poderá ter um pouco de dor e inchaço na região do períneo nos primeiros dias. Pois é, mesmo assim nenhuma mãe que acabou de ter bebe é instruída a ficar de repouso né? Afinal temos um lindo bebe para cuidar, amamentar e dar banho, vinte quatro horas por dia! Vocês sabiam que em algumas cultura orientais as mulheres são aconselhadas a permanecerem deitadas após o parto para que o corpo se habitue ao seu novo volume e existem uma série de manobras antes da mulher se levantar na intenção de voltar os órgãos e a bacia para o lugar !

Em alguns lugares na França pelve da mulher é enfaixada com uma bandagem logo após o nascimento antes de se levantar ! sim ! Isso para poder fechar essa pelve que foi aberta para passagem do bebe.

Em nossa cultura, já nos levantamos alguma horas após o parto, e para muitas mulheres uma contenção no abdômen e na pelve trará uma sensação de muito conforto. Nesses casos uma calcinha de compressão fará muito bem. E então qual seria o problema das cintas tradicionais?

Vamos imaginar nosso tronco como na figura abaixo, uma pasta de dente, sendo a base o assoalho pélvico, o meio o abdômen e o topo o diafragma(másculo responsável pela nossa respiração). As cintas tradicionais irão comprimir apenas a parte do meio, o abdómen, empurrando os órgãos em direção ao períneo (que ja está fragilizado), e comprimindo o diafragma, impedindo a mulher de respirar adequadamente. Nesse caso cinta só irá prejudicar, dificultando o retorno ao corpo pré gravídico. Afinal se não respiramos direito não usamos nossos músculos abdominais !

Portanto, podemos sim usar uma compressão, que pode ser a calcinhas específicas para o pós parto, ou aquelas cintas de velcro ortopédicas usadas por pessoas com dor lombar (nesse caso não usar 24 h por dia !).

As vantagens serão o conforto, melhora da percepção corporal, consequentemente melhora da postura e menos dor para fazer as atividades diárias. Nesse pós parto imediato e nos primeiros dias, semanas a puérpera deve ser aconselhada adotar uma boa postura, exercícios de respiração, e de períneo para que gradativamente ela vá ganhando força e vá construindo sua própria cinta !!

Suzanne Ginzberg| Fisioterapeuta pelvia-obstetrica e doula, Especialista pela UNIFESP

Cel.: (11) 99967-6306