barra

Nenhuma cirurgia é fácil, não é verdade? Sempre surgem medos ao longo do caminho e inúmeras dúvidas com relação ao futuro. Quando falamos de cirurgia plástica as indagações aumentam ainda mais e rapidamente surgem vários debates internos.

Alguns dos questionamentos mais comuns são: será que eu realmente deveria fazer isso mesmo? E se não der certo? E ser eu ficar com uma cicatriz? E se eu não gostar do resultado? Será que ainda dá tempo de desistir?

Todas essas perguntas são naturais e inclusive fazem parte da natureza humana, que sempre busca conforto e segurança no presente para evitar lidar com o futuro que é desconhecido.

No post de hoje nós falaremos algumas das melhores dicas que existem para que você se tranquilize e consiga ter maior sensação de segurança durante esse período delicado, mas que é capaz de realizar sonhos.

Se você ficou interessada no assunto, não pare de ler este conteúdo até o final!

 

Dica #1: Converse exaustivamente com seu médico

Seu cirurgião plástico é o único que pode efetivamente trazer a segurança que você precisa. Ele é o especialista e essencialmente a pessoa que sua confiança deve estar depositada até o fim.

Portanto, não deixe de conversar exaustivamente com ele sobre todos os seus questionamentos, mesmo aqueles que aparentam ser de pouca importância.

Você ficaria surpresa em saber como esses médicos lidam com essas situações e como elas são comuns no cotidiano desses profissionais. Parte do trabalho deles é justamente fornecer o apoio que você precisa para conseguir realizar seu sonho de ter um corpo mais bonito.

 

Dica #2: Pare de pesquisar no Google sobre os riscos

Apesar de ser fundamentalmente importante conhecer quais são os riscos da sua cirurgia, saiba que pesquisar no Google a incidência das adversidades ou até mesmo alguns estudos de casos em que alguma coisa deu errado pode ser extremamente prejudicial.

Quando você busca por essas informações você acaba se fechando em uma bolha, onde a impressão que fica é aquela em que os riscos são mais altos do que pensava e que praticamente não existe nenhuma segurança no procedimento.

Por essa razão, pare com este hábito e foque somente nas informações que seu médico lhe passar. Conhece algum risco que te preocupa? Não deixe de comunicá-lo e de perguntar tudo a respeito.

A melhor maneira está no questionamento do acontecimento durante a prática do seu médico de escolha (que deve ser experiente e reconhecido no mercado).

 

Dica #3: Caso não sinta segurança com seu cirurgião, troque de profissional

Tentar forçar uma conexão é a pior coisa que você pode fazer. Isso não te passará segurança e na maioria dos casos pode haver receio e até mesmo desistência da cirurgia.

Caso seu médico não responda suas perguntas ou não lhe dê as informações ou atenção que procura, troque de profissional e informe todo o ocorrido.

Afinal de contas, não se esqueça que este será o profissional responsável por fazer uma mudança significativa no seu corpo — você deve estar completamente confiante e livre de muitas dúvidas durante o processo.

 

Dica #4: Tem dúvida sobre o resultado? Peça um portfólio ou algum material parecido

Ter dúvidas sobre o resultado da operação é mais do que natural. Todas as pessoas de ambos os sexos ficaram com esse questionamento quando também realizaram sua cirurgia plástica.

A melhor maneira de evitar a pior de todas as dúvidas é olhando o trabalho passado do seu cirurgião. Além disso, sua conversa com ele deve indicar com clareza o que é possível e impossível ter como referência.

 

Dica #5: Peça apoio para seus familiares

Durante todo o processo da cirurgia é importante se sentir acolhida e protegida pelos seus familiares. Busque apoio e sempre tente se abrir nos momentos de maior dificuldade emocional.

Esse suporte é fundamentalmente importante para quem nunca realizou uma cirurgia ou para quem tem medo de passar por um procedimento médico — seja ele estético ou não.

Não há nada de errado em pedir ajuda e auxílio daqueles que são mais próximos da sua pessoa.

A única ressalva aqui fica para aqueles que não apoiam sua decisão ou não estão devidamente engajados com sua escolha — nestes casos, é melhor procurar apoio em locais mais seguros.

 

Dica #6: Entenda o motivo por trás da sua cirurgia

Esta dica é a mais profunda de todas, e diz respeito ao motivo por trás da sua mudança corporal.

Se você não tem nenhum problema estético grave, é provável que sua mudança seja pautada principalmente na sua autoestima, que pode não estar onde deveria.

O problema é que na falta de um entendimento profundo das suas motivações você corre o risco de perpetuar essa sensação de não se sentir bonita o suficiente ou dentro do padrão perfeito idealizado.

A realidade é que todos nós somos imperfeitas e possuímos dificuldades para lidar com essas questões, e mesmo com uma cirurgia plástica bem-sucedida, isto não significará que seus problemas pessoais acabarão ou que você magicamente se verá com outros olhos.

Entender esse ponto pode abrir um novo mundo de autoaceitação e até mesmo de autoconfiança, duas qualidades essenciais de quem busca uma vida equilibrada e harmoniosa.

 

Dica #7: Na dúvida, não faça a cirurgia

Essa dica pode parecer extremamente contraditória, mas ela não passa de uma verdade universal.

Se você realmente quiser mudar seu corpo, não existem espaços para dúvidas. Uma coisa é sentir dúvidas e um frio na barriga, outra é se questionar ao extremo e não se sentir bem durante os exames do pré-operatório.

Caso você se encontre neste segundo grupo, a recomendação é que você não faça a cirurgia. Pense mais um pouco e veja se isso é realmente o que está buscando.

Afinal, todas as pessoas que passaram pelo procedimento realmente queriam seus resultados e uma nova vida, e se você está sempre se perguntando se este é o passo correto, talvez ainda não seja a hora de entrar em uma sala cirúrgica.
Saiba que nada trará mais satisfação e segurança do que a certeza de uma escolha bem feita no momento ideal.

Este foi nosso post de hoje sobre como ter mais segurança antes de uma cirurgia plástica. Já passou por uma experiência como esta? Deixe sua opinião nos comentários abaixo — gostaríamos muito de saber o que você tem a dizer!