barra

Vivemos numa cultura em que a morte é vista como um grande tabu. Falar sobre esse assunto traz desconforto e impede de falarmos abertamente e com a naturalidade que deveríamos, sobre a única certeza que temos na vida: nossa própria finitude.

Diante disso, como lidar com a situação quando perdemos alguém importante pra nós e pra nossa família? E como ajudar as crianças a lidarem com a realidade do luto?

O luto é o processo de adaptação que enfrentamos quando perdemos algo ou alguém que era muito importante pra nós. Durante este processo, é preciso descobrir e construir um novo sentido para a vida, agora com a ausência dessa pessoa.

Sabemos o quanto é difícil para um adulto ter que lidar com a morte de alguém. Para as crianças não é diferente. A perda desorganiza todo o mundo emocional delas e por isso elas precisam de um adulto para sentirem-se amparadas no meio disso tudo. Na maior parte das vezes, a perda atinge toda a família e isso se torna ainda mais delicado.

Portanto, saiba que poupar a criança da dor e do sofrimento não será possível, mas oferecer conforto e acolhimento será muito importante.

Aqui estão 7 dicas de como ajudar as crianças a enfrentarem o luto da melhor maneira possível:

1- Conte a verdade. Evite utilizar metáforas (“virou estrelinha”, “fez uma viagem”, “vai dormir pra sempre”, etc) pois as crianças (especialmente as menorzinhas) ainda não tem discernimento e maturidade pra entender isso e provavelmente terão um entendimento mais literal. A partir dessa compreensão literal, ela poderá fantasiar outras situações que sejam ainda mais difíceis de lidar, abrindo espaço para sentimentos como medo, culpa, rejeição e ainda mais tristeza.

2- Ofereça acolhimento e amparo, mesmo que você também esteja tomada pela dor da perda. Sei que isso pode ser bem difícil, mas lembre-se que você e sua família, incluindo as crianças, enfrentarão isso juntos, cada um da sua maneira.

3- Deixe a criança se expressar. Cada uma tem uma maneira e um tempo para fazer isso – e isso precisa ser respeitado. Manifestações de agressividade, choro ou introspecção são comuns e mostram que a criança está tentando lidar com a bagunça que ficou lá dentro dela depois da perda. Alguns recursos podem ajudar bastante na expressão de emoções e sentimentos durante o luto, como livros e filmes infantis sobre o tema, fazer desenhos, etc.

4- De a ela o direito de escolha de participar dos rituais fúnebres. A criança pode ir ao velório, se ela quiser e pelo tempo que quiser/puder. É importante explicar a ela o que acontece lá, que terão pessoas chorando pois também estão muito tristes, que o corpo da pessoa falecida é colocado numa caixa especial e que agora ela não sente mais dor, nem frio, nem nenhum tipo de sofrimento. Lembrando que o ritual do funeral – como todos os rituais de passagem – tem sua função, que é a de “marcar” o acontecimento da morte e a despedida, sendo importante para a elaboração saudável do luto. Se achar que sua criança já tem discernimento suficiente, ofereça a ela essa escolha.

5- Fale sobre a morte de uma maneira natural e não como um tabu. Utilize exemplos da natureza, com seus ciclos da vida compreendendo nascimento, vida e morte, para mostrar às crianças que a morte faz parte da vida e que todos um dia passarão por isso.

6- Não evite as memórias da pessoa que se foi. Reviver memorias através de fotos, vídeos, visitas a lugares que a pessoa gostava ou ter perto objetos que lembrem quem perdemos, é a forma de manter a pessoa viva dentro de cada um.

7- O luto pode ser uma experiência transformadora para todos que o vivem. Lembre-se que depois dessa experiência, a criança poderá estar mais preparada para lidar com outras perdas no futuro de uma forma mais saudável.

O luto só é vivido / sentido por quem é capaz de formar vínculos.

Portanto, se a criança está sofrendo a perda de alguém, lembre-se que provavelmente ela já incorporou o que há de mais nobre na vida de um ser humano: o amor.

SABRINA GRUNWALD FORTE

PSICÓLOGA E PSICODRAMATISTA, CURSANDO ESPECIALIZAÇÃO EM LUTO.