barra

Sou mãe de primeira viagem, e aqui temos passado por experiências fantásticas, e coisas que jamais imaginávamos que poderiam existir.

Nossa experiência atual é aplicar a técnica Elimination Communication, que consiste em captar os sinais do bebê e prever que ele vai evacuar, posicioná-lo na posição de cócoras em cima de um penico para que ele possa fazer cocô e ou xixi, assim mantendo uma higiene natural do bebê evitando que ele fique em contato com as fezes e ou urina.

Aqui desde o princípio, optamos pelo isolamento social, até mesmo antes do Covid19, essa foi uma escolha para que pudéssemos passar pela experiência da maternidade e deixar fluir naturalmente nossos instintos, para conseguir decifrar todos os desafios que é cuidar de um recém-nascido, além de protege-lo de doenças que pessoas de fora poderiam trazer para um bebê que ainda não possui imunidade.

Um desses desafios, foi entender o porquê da minha filha preferir fazer suas necessidades somente quando abríamos a fralda. Depois de pesquisar um pouco, conheci essa técnica, e confesso que no começo eu imaginei que tudo isso era loucura, que seria bem difícil a impossível de fazer.

Conversei também com uma amiga, que passou por uma experiência parecida, e pudemos assim trocar experiências, e então fiquei ainda mais motivada em colocar em prática, afinal, também somos animais, e na natureza nenhum animal mamífero fica em contato com as fezes, eles sempre evacuam, e permanecem limpos, então, porque um bebê humano seria diferente? Imagino que por comodidade, facilidade, e também por falta de conhecimento dessa técnica, que com certeza, a maioria das pessoas que aplicarem, vão obter resultados positivos.

Vou contar um pouco de como iniciei todo esse processo. Compramos o peniquinho, e como minha filha tem mais ou menos um padrão de horário pra fazer cocô, acredito que isso tenha sido uma grande vantagem, e com isso tivemos sucesso nas primeiras tentativas, minha filha conseguiu com menos de 3 meses usar o peniquinho pela primeira vez!

Sempre que chega o horário aproximado da minha filha fazer cocô, eu observo os sinais que ela da para que eu possa leva-la no pinico, normalmente ela solta pum, levanta o bumbum e faz uma carinha de força, que aqui chamamos de cara de cocô. Esses sinais, não são exatamente padrões, cada bebê pode dar sinais diferentes, por isso é importante observar e tentar decifrá-los, afinal, bebês não falam, mas eles se comunicam!

Minha filha fica de fraldas em tempo integral, eu tiro somente quando vou trocar ou percebo algum sinal que ela quer fazer alguma coisa, e quando vejo que está na hora, eu rapidamente a coloco na posição de cócoras em cima do pinico. Eu não a deixo ficar sentada, pois ela ainda não possui sustentação do tronco, e o penico, ainda é muito grande, então eu tenho que ficar segurando até ela fazer. Normalmente tudo isso é bem rápido, e o cocô sai todo de uma vez devido a posição de cócoras que favorece a evacuação total.

Estamos bem no começo dessa experiência, e apesar de ser uma coisa tão simples, é inexplicável a sensação e o sentimento de orgulho que tenho da minha filha de conseguir fazer cocô no peniquinho, e claramente ver a felicidade e carinha de alívio em todas as vezes que ela acerta.

A vantagem de tudo isso, principalmente é que o bebê praticamente não se suja, um algodão com água morna é o suficiente para fazer a higienização, e com isso evitamos também o problema de assaduras, que bebês tem muitas vezes por ficarem em contato com as necessidades.

É um processo que não é difícil, mas exige um pouco de dedicação e paciência, mas a cada dia os acertos vão aumentando, e existe também a possibilidade de alguns acidentes, sim seu bebê sem fralda é um perigo, e tudo pode acontecer a qualquer momento, por isso é importante preparar o ambiente caso aconteça alguma explosão de cocô fora da fralda.

Estamos aqui aproveitando a fase da quarentena para por isso em prática, e tem funcionado, é bem divertido e engraçado, imagine segurar um bebê em cima de um penico para esperar alguma coisa sair, fazer a dancinha do cocô, e até festejar e se emocionar por um pequeno cocô que caiu no penico.

Com certeza é uma experiência única, que une muito toda a família, e que trará benefícios para o planeta em utilizar menos fraldas descartáveis, evitar assaduras, não ter a necessidade do uso de pomadas, e no futuro ser muito mais fácil processo do desfralde.

Mas claro, que tudo isso é uma técnica que deve ser aplicada por mães que estejam dispostas a se dedicar, ter paciência e muito bom humor, porque a saúde mental é fundamental para um bom desempenho dessa técnica, que não funcionará se todo esse processo for causar um estresse.

Se você é uma mamis que sente que essa técnica pode se enquadrar ao seu ritmo de vida, e isso te traria vantagens, com certeza vale muito tentar por em prática tudo isso, porque seu bebê é capaz de utilizar o peniquinho com sua ajuda.

Natalia Bueno

contatodanaty@hotmail.com

@nataliabueno_mom