barra
Boa noite, Mamis!
Agradeço desde já a todas as administradoras desse grupo pelo espaço de fala. Atrevo-me a levantar uma discussão saudável, sem ofensas, de maneira respeitosa e com uma análise bem ampla sobre aulas particulares na educação infantil em meio à pandemia. Esse é o relato de uma professora que vive na prática essa realidade. Sim, precisamos falar sobre isso!
Meu nome é Gislene Lima, sou pedagoga, especialista em educação especial e mestre em Sociologia da Educação e Políticas Públicas da Infância. Trabalho com educação desde 2007 e jamais pensei que viveria um período de pandemia em minha trajetória de vida. Fui dispensada do colégio particular onde trabalhava e assim como muitas aqui, também sou mãe e necessitava complementar a renda familiar, que nessa altura já estava escassa, devido aos efeitos da pandemia. Hoje tenho 7 alunos, com idade entre 3, 5 e 6 anos, alguns filhos de Mamis aqui do grupo, que podem dar seus depoimentos e contribuições, se acharem pertinentes. Inicio essa reflexão abordando algumas questões:
O que aprendi nessa nova etapa das aulas particulares com covid?
1. Que muitos professores necessitam prover suas famílias, pois também são pais e mães.
2. Que há muitos pais que trabalham (inclusive na linha de frente da saúde), não tem tempo disponível, devido seus horários alternados e tampouco, conseguem dar conta de acompanharem o desenvolvimento de seus filhos com a prática pedagógica.
3. As crianças necessitam ser ouvidas! Mesmo com a pandemia, não deixaram de ser crianças, de ter sonhos, aprendizados e sentem uma falta imensa do ambiente escolar conjunto.
4. A escolha por aula individual e não coletiva, até as incertezas amenizarem. O quão importante é ter pelo menos o mínimo dessa prática e se é possível arcar com essa despesa.
5. A segurança é indispensável em qualquer situação, seja para nós professores que atendemos em domicílio, como para os pais e crianças que atendemos. Todo trabalho realizado é feito dentro dos parâmetros de segurança, seguindo as regras de higienização.
Se sou à favor ou contra do retorno às aulas?
É muito pessoal, mas sou Contra!
Mesmo sabendo que a educação infantil necessita de socialização com outras crianças no ambiente escolar, ainda não dá para arriscar. As aulas individuais são muito diferentes das aulas coletivas, não há aglomeração e o aproveitamento da hora/aula é excelente.
Qual é a rotina, metodologias e atividades que podem ser aplicadas nas aulas?
Atividades totalmente lúdicas!
Desenvolvimento jogos, contação de histórias, artes, utilizando a criatividade ao adaptar o planejamento da instituição nas aulas, atingindo necessidades pontuais de cada criança. O mais importante nisso tudo é ouvi-las, transmitir confiança, minimizar seus medos, elevar sua auto estima, embarcar com eles no universo infantil, explorar suas habilidades e valorizar cada fala.
Enfim, esses foram alguns pontos que me fizeram pensar, não há certo ou errado. Apenas, compreender que há razões distintas, reais e necessárias de todos os lados. Devemos refletir e enxergar para além, que a minha necessidade não é a do outro, que a dor dele não dói em mim, mas posso ter empatia, sem apedrejamento. Podemos levantar pontos de vista que nos ajudem, auxiliem e amenizem, principalmente a angústia que muitas vezes é do outro e não minha.
Gislene Lima
Mestre em Sociologia da Educação e Políticas Públicas.
Especialista em Educação Especial, Pedagoga.