barra

Pedras nos rins podem ter a ver com bactérias? Eu sempre digo que para entender os rins precisamos entender o organismo como um todo, porque na medicina, muitas vezes, desconsideramos a imensa integração entre os órgãos e sistemas, e aí nosso raciocínio se torna superficial e incompleto.

Nesse contexto, cada vez mais vejo que o intestino tem um papel fundamental nessa integração.

Hoje o assunto é eixo intestino-rins na formação dos cálculos de oxalato de cálcio.

Estudos mostram que a microbiota intestinal (aquelas bactérias, vírus, fungos até que habitam nosso corpo) de pacientes com cálculo de cálcio é diferente dos que não tem as pedrinhas (muito interessante!). Além disso, a microbiota urinária não parece ser igual a intestinal e pacientes formadores de cálculo tem por exemplo menos Lactobacillus.

Pedras nos rins podem ter a ver com bactérias?

Hoje vou dar duas dicas para evitarmos a formação de cálculos através da mudança de microbiota:

  1. Evitar uso de antibióticos desnecessários. Sabe aquela dor de garganta que iria melhorar mas que as vezes acaba ganhando um antibiótico? Ou aquela gripe que logo é tratada para melhorar mais rápido??
  2.  Alimentação dita ocidental: rica em sal, carboidratos, industrializados e processados. Essa dieta modifica as bactérias intestinais e pode resultar em um maior risco de formação dos cálculos.

Cada vez entendemos mais que não existe um único vilão para nossas doenças. São nossos comportamentos e nosso estilo de vida que, muitas vezes, determinam nossas doenças ou nossa saúde.

Ja parou pra pensar nisso?

Ref. Gut 2018;67:2097-2106
Nutrients.2020 Feb;12(2):548

Compartilhe